O nosso objetivo

 

O Estado Novo é, genericamente, um período da História de Portugal que se inicia em 1933 e só acaba com a revolução de Abril de 1974.

Durante estes 41 anos, este regime ditatorial confunde-se com a personalidade autoritária de Salazar, Presidente do Conselho de Ministros durante 36 anos, até ao seu afastamento por doença em 1968, ano em que foi substituído na chefia do Governo por Marcelo Caetano, o qual irá governar até à Revolução do 25 de Abril de 1974. 

A sua herança é de tal modo marcante que continua a ser frequente ouvirmos expressões como “isto era preciso um novo Salazar” ou, em sentido oposto, “Parece que voltámos ao tempo do fascismo”.

Este site site é destinado sobretudo aos nossos alunos mas também a todos os que se interessam por este período. 

Aqui serão colocadas informações várias sobre  a época, imagens, fichas de trabalho, pequenos vídeos, notícias e  links com interesse sobre o tema, entre outros recursos. 

Caricatura de João Abel Manta

O culto da personalidade

Salazar posando para o escultor Francisco Franco - 1934

 

 A propaganda do Estado Novo atribuiu a Salazar um estatuto quase "divino". É criado um mito à sua volta, de tal forma que, em 1932, o cineasta e jornalista José Leitão de Barros anuncia uma suposta semelhança entre o rosto de Salazar e o rosto de uma das figuras retratadas nos painéis de S. Vicente, pintados por Nuno Gonçalves. Era como se de uma predestinação histórica se tratasse!

A frase proclamada em 1934, no congresso da União Nacional:«Quem não é por Salazar é contra Salazar», é uma das melhores provas dessa propaganda de culto.

Conta-me como foi

 

Conta-me como foi é uma série de ficção inspirada numa congénere espanhola. O seu grande objetivo é retratar o ambiente socio-económico existente em Portugal no final da década de 60. Como ficção trata os assunto com uma certa ligeireza, no entanto aborda muitos dos problemas da época e o visionamento de excertos de alguns episódios pode constituir um bom ponto de partida para um debate de ideias com os alunos. 

Só em Março de 1957 se iniciarão as emissões regulares...

                                                                 

A Mocidade Portuguesa Feminina

A Mocidade Portuguesa Feminina (MPF), organização estatal de enquadramento obrigatório das jovens dos sete aos dezassete anos e das que frequentavam o 1º ciclo dos liceus, excepto nas instituições militares, foi criada pelo Estado Novo, pelo Decreto-Lei nº 28 262, de 8 de Dezembro de 1937. Segundo o diploma, que regulamentou o seu Estatuto, a recém-criada organização feminina tinha por fim formar uma mulher “nova”, através da “educação moral, cívica, física e social”.

in Mocidade Portuguesa Feminina, Irene Flunser Pimentel

A Mulher Ideal

Para combater os Concursos de Beleza, de onde a mulher sai “vilipendiada e desfigurada”, surge em 1956 o concurso para eleição da “Mulher Ideal”. Esta iniciativa mereceu, da parte do Papa Pio XII, um elogio aos seus organizadores -  "Parabéns por se ter organizado finalmente, um concurso que se propõe premiar as nobres virtudes da mulher naquilo que constitue a sua missão e o seu posto na sociedade: preparação moral, doméstica, e sobretudo moral.

Que diferença de outros concursos para a eleição de “misses”, baseados em conceitos materialistas e degradantes, da dignidade feminina!"

A revolução de Abril põe fim a este concurso, iniciando-se uma nova era para a mulher portuguesa, uma mudança de mentalidade que não será fácil.

 

Notícias

A Alegre História de Portugal em 90 Minutos

27-06-2012 17:00
Lisboa, Teatro Bocage (R. Manuel Soares Guedes, 13 A). Tel.: 912449909; Dias 30 de Junho e 7 e 14 de Julho às 16h. Bilhetes a 6 euros

Hiperligações úteis

JN 123 anos 123 capas

 

 consulte também   Recursos Online 

Sondagem

Concorda com a ideia segundo a qual o estado atual de Portugal se deve ao regime salazarista?

Concordo totalmente (9)
23%

Em certa medida moldou a maneira de ser dos portugueses (23)
59%

Ao fim de 38 anos de democracia penso já não fazer sentido (7)
18%

Total de votos: 39

 

 

Portugal "orgulhosamente só" e a degradação das relações com os países democráticos...uma questão de tempo...